domingo, 29 de junho de 2008

Intuição..

O que é isto de sentir? Alguma vez pensastes que sentir é muito mais que uma simples sensação? Sentir, ver, gostar, ouvir e cheirar... os nossos orgãos sensoriais estão brutalmente em funcionamento.. somos capazes de sentir em simultâneo, de processar e de intergrar tudo. Somos peritos na articulação daquilo que sentimos... e quando falamos no 6º sentido, a que nos referimos exactamente? O 6º sentido pode ser para muitos coisas completamente diferentes. Para mim, o 6º sentido é a nossa capacidade de intuição, a nossa capacidade de prever, a nossa capacidade de dizer: "é por este caminho!" mas sem conseguir explicar o porque.. é a nossa capacidade de ver genuinamente o que está por trás dos olhos de uma pessoa.. é a nossa capacidade de enfrentar uma determinada situação sabendo que estamos fazendo bem.. é aquele palpito no nosso coração quando vemos, sentimos, ouvimos ou cheiramos... é muito mais que os nossos sentidos.. a intuição é antes de mais uma capacidade que aprendemos a utilizar quando sabemos ouvir o nosso interior, que aprendemos a desenvolver quando simplesmente nos sentamos no silêncio dos nossos pensamentos, é aquela capacidade que por norma utilizamos para alcançar os nossos melhores objectivos. É cada vez mais uma atitude que merece silêncio para evoluir. É e será sempre, na minha opinião, a nossa fiel companhia nos momentos de grande indecisão e fraqueza. É e será sempre uma virtude digna de se ter... há quem diga que as mulheres são as da intuição... particularmente não gosto deste tipo de comentarios sexistas.. considero que todos temos as mesmas potencialidades para agir (em determinados momentos) em função da nossa intuição. Provavelmente nós (mulheres) fazemos mais uso da nossa intuição, mas isso não exclui por completo aos homens da sua utilização...

sábado, 28 de junho de 2008

Como niña..


Tudo se apaga, as luzes, os carros, até o vento já não se faz sentir... o silêncio rompe como de costume e à minha volta tudo se torna fragil e carente. A solidão aperta durante a noite, o ar entra e sai, o corpo pensa e a mente sente, a dor permanece e tudo é passado, a noite agora brilha e o dia já não faz diferença. Tudo sofre metamorfose constante. A criança de 6 anos que guardei em mim é agora um reflexo único presente dia e noite. Sonhar.. sonhar, sonhar... que remedio! Sempre o mesmo.. uma verdade feita ilusão, uma verdade latente, uma verdade que não se consegue ver objectivamente mas que está lá. Um "adeus, eu volto depois por ti.. porta-te bem!" Um beijo que só sinto pena de ter recibido.. um sentimento de nunca teres estado.. sinto que sempre estabelecestes prioridades nas quais eu nunca estive, sinto que agora a tua prioridade sou eu e já é muito tarde... não consigo perceber as tuas preocupações, não consigo e só penso numa coisa.. não consigo isolar os meus pensamentos dos teus, não consigo sincronizar e perceber a desconfiança. Quem é que deve desconfiar, sou eu ou és tu? Quem é que voltou tarde? Quem é que chegou quando tudo já se tinha passado? Afinal, quem é que deveria desconfiar?

quarta-feira, 25 de junho de 2008

Dias color esperanza!!!


Há dias em que a vida nos surpreende. Há dias em que sentimos uma mistura de conceitos baratos. Há dias com esperanças articuladas que valem à pena viver. Há dias em que o simples acordar já faz sentido. Há dias em que as mais remotas emoções já alguma vez sentidas voltam a florescer. Há dias em que a vida nos surpreende pela positiva e nos faz lembrar que somos uma amostra de infinitas possibilidades. Eu poderia dizer que há dias que sabem mesmo bem!! Há dias em que sentimos que realmente se consegue.. há dias que pintamos a nossa cara de cor esperança tal como diz a música do "Diogo Torres". Há dias em que o futuro já não representa medos. Há dias em que nos sentimos seguros com o que vem a seguir. Há dias em que a nossa criatividade começa a explodir. Há dias como os de hoje em que ficamos a saber noticias que só se podem ter uma vez na vida. Há dias em que ficas completamente convencido que é esse o caminho e o rumo a seguir. Há dias em que olhando para a nossa meta a curto prazo concretizada nos sentimos verdadeiramente felizes. Dias que significam o inicio de uma nova fase provavelmente cheia de novas dificuldades e novos desafios existenciales. Simplesmente um dia que ficará para sempre na nossa memória com o um cheiro à erva fresca recem cortada, pois é um novo momento para fortalecer.

Agora já posso dizer que estou em Psicologia Clinica!!! ;)

terça-feira, 24 de junho de 2008

Somos um mistério, somos um enigma...

Cada pessoa tem um mistério, cada pessoa é um enigma, cada pessoa é uma opção, uma possibilidade, uma realidade.. Cada pessoa guarda um mistério existencial. De onde vens? O que é que fazes aqui? Somos pedras absolutamente sólidas, somos peças que existem e que chocam numa realidade física. Tal como a filosofia do passado diz, a experiência é toda a percepção que temos sobre nós próprios. Mas o que é real? Há experimentos que mostram que somos capazes de observar determinados objectos com os olhos fechados e fazer uso da nossa imaginação. Quando usamos a imaginação é como se estivéssemos a observar exactamente o mesmo objecto na sua realidade. Mas quem é que vê então? É o cérebro que vê ou são os olhos? A verdade é que o cérebro não reconhece diferença entre o que vê e o que recorda. As mesmas redes neuronais especificas são activadas tanto numa como noutra situação. Então a pergunta central é: o que é a realidade então? Somos constantemente atropelados por quantidades enormes de informação que entram nos nossos sentidos. Entram e os nossos orgãos sensoriais vão fazendo filtragens, eliminando informação que não precisa e armazenando o que é melhor. É impressionante!! O nosso cérebro processa 400 mil milhões de bits de informação por segundo mas apenas somos conscientes de 2 mil. Isso significa que a realidade ocorre no nosso cérebro a cada momento. O conhecimento que temos desses 2 mil bits estão relacionados com o nosso meio ambiente, o nosso corpo e o tempo. Vivemos num mundo onde a única coisa que vemos é a ponta de um iceberg, a clássica ponta de um iceberg de mecánica quantica. Os nossos olhos são a lente, a cinta que vê tudo é a parte posterior do cérebro (cortice visual). Tal como uma câmara gravamos o que alcançamos ver? Isto é importante, na verdade não é assim.. na verdade nós criamos a realidade. Somo máquinas que produzem realidade e ainda é possível que tudo o que realmente acontece seja apenas uma ilusão da qual não temos forma de sair.. O nosso cérebro não sabe a diferença entre o que está acontecendo alí fora e o que está acontecendo aqui dentro..

segunda-feira, 23 de junho de 2008

Um dia que não pretendo esquecer...

Um dia que não pretendo esquecer, um dia com todos os seus minutos, segundos e milisegundos, um dia que deu conta de uma única realidade, um dia que deu conta de uma única verdade, a minha... dizem que as palavras são palavras e que os actos são os que contam... mas e o que é que acontece quando são actos e palavras em simultâneo? E o que é que acontece quando sentimos as palavras como uma tibia brisa de ar quente? E o que é que acontece quando são aquelas precisas palavras actos minusculos articulados com sinceridade? E o que é que acontece quando sentimos tudo tão real e verdadeiro? - Há quem possa chorrar, há quem possa rir, há quem possa gritar, há quem possa delirar, há quem apenas respire profundamente... há momentos em que os sentimentos não os podemos esconder trás um acto e muito menos tras uma palavra. Simplesmente há momentos que ficarão para sempre como uma impressão tactil, como tinta misturada sobre uma superficie cada vez mais pura e limpa, como resina que solidifica o que aparentemente é tão fragil, como pigmento sobre uma folha.
Entre as drogas que alteram o pensamento, a melhor é a verdade.
(Lily Tomlin)

domingo, 22 de junho de 2008

A sinceridade, uma virtude que vai mais além da simples verdade?!?


Falar, manifestar, dizer aquilo que fazemos, vemos, pensamos, sentimos… manifestar e contar “alguém”…
Para muitas pessoas a sinceridade significa ter em conta as “palavras precisas”, a “pessoa idónea” e o “momento adequado”; para outras nada disso é imprescindível para ser sinceros. Para muitos ser sinceros é sinónimo de frontalidade constante… dizer a sua verdade e que esta prevaleça sobre todas as outras verdades. Desde o meu ponto de vista, para que a sinceridade tenha sentido não se pode tratar de uma comunicação ao azar. Reconhecer a nossa própria realidade, adopta-la e comunica-la com algum discernimento para mim é o mais importante... Concretamente considero que a sinceridade deveria ser governada pela prudência… Quantas vezes não nos sentimos desiludidos ao descobrir uma verdade? Descobrimos o engano ou a mentira… Seguramente sim, muitos já tivemos essa oportunidade… Não vou negar que é incomodo sentir-se defraudado, é uma experiência que nunca desejamos viver e as vezes nos impede confiar em pessoas apesar delas não serem a nossa desilusão. Mas então.. afinal o que é isto de ser sinceros?
Já conheço vários discursos em matéria… todos têm em comum “dizer a verdade”. Para mim, ser sinceros é simplesmente um valor que devemos viver e conservar, um valor que nos faz dignos de confiança e nos permite viver bem com nós próprios. SINCERIDADE, uma virtude que caracteriza ás pessoas pelas suas atitudes congruentes em todo momento; uma virtude que se baseia na veracidade das palavras e das acções. Para ser sinceros basta procurar dizer sempre a verdade?!? Isto que parece tão simples as vezes é o que mais custa a determinadas pessoas… Caros amigos, a sinceridade não esta só nas palavras, também está nas nossas atitudes. Quando aparentamos o que não somos tendemos a mostrar uma personalidade fictícia e é nesse justo momento que vem à minha mente aquele famoso refrão: “dime de que presumes y te diré de lo que careces”. Dizer a verdade é apenas uma parte da sinceridade, pois “actuar” conforme a verdade é também requisito indispensável. Mostrar-nos tal e qual somos, ser congruentes entre o que dizemos, fazemos e pensamos. Afortunadamente ou desafortunadamente isto só se obtém com o conhecimento e aceitação das nossas qualidades e limitações. Ser sinceros exige responsabilidade no que dizemos, evitando dar prioridade à imaginação ou às suposições. Confesso que nalguns momentos a sinceridade depende do valor que isso possa ter.. De facto, acho que nunca se poderia justificar deixar de dizer alguma coisa para não perder uma amizade. A pessoa sincera diz a verdade SEMPRE, mas no momento oportuno sem medo do que vão dizer. Ser sinceros basicamente supõe uma educação de tacto, prudência e oportunidade. Estou cada vez mais convencida que ser sinceros não consiste em dizer tudo a todos… o discernimento será, como sempre a ferramenta fundamental para dar sentido a esta virtude chamada SINCERIDADE.

“A sinceridade e a humildade são duas formas de designar
uma única realidade”

Olhos nos olhos..

 
Okey… já sei que isto vai soar muito conhecido para alguns! Dizem que os olhos são a janela da nossa alma, que olhar para alguém aos olhos e falar para ela faz parte de algum tipo de cortesia e apenas mais uma forma de mostrar atenção. Mas isto acontece quase instantaneamente em milésimos de segundos, pois vamos combinando posturas, articulando expressões, simplificando pensamentos e complexificando sentimentos… é nesse instante de milésimos de segundos em que tudo vai ganhando automatização até ao ponto de não sermos capazes de ver o que se passa por trás daqueles olhos. Mas, o que é que acontece quando ficamos a olhar de forma consciente ou intencional? Desde o meu ponto de vista é no preciso instante em que ficamos a prestar atenção e activamos o resto dos nossos sentidos quando conseguimos capturar pistas inigualáveis, pistas que se vão juntando e vão caracterizando um contexto, uma situação e uma coisa tão complexa chamada “comunicação”; nunca pensei que fosse tão simples de explicar, mas é nesse preciso momento, nesse processo em si, onde encontramos milhares de vezes a essência de uma mirada, a essência dos olhares e em última analise encontramos a síntese dos olhos.