terça-feira, 30 de setembro de 2008

Pontos vermelhos e amarelos...


Desde sempre pensei que as cores são o meu universo. Falar de cores é uma das coisas mais maravilhosas que existem… O nosso mundo se organiza num arco-íris perplexo cheio de multiplicidades sensoriais. Sempre acreditei no poder (por assim dizer) das energias emitidas por determinadas cores. Nunca tive uma cor preferida (ou melhor dito), nunca tive uma cor que fosse “a minha cor”. Nunca tive um armário apenas cor-de-rosa, azul, vermelho ou verde. Desde que tenho uso de consciência, nunca tive preferência por alguma cor específica. Tal como dizia a minha avó, as cores são vistas e são utilizadas na sua complexa variedade, intensidade e tonalidade - mesmo quando pensamos erroneamente que só preferimos uma ou outra cor. Não é preciso saber quais os diferentes tipos de classificação ou sistemas de codificação existentes. Não precisamos saber que o amarelo, o azul e o vermelho são as cores primarias…. Eu sei que isto parece estúpido mas (se pensarmos bem) podemos deixar este assunto para profissionais com algum propósito para esse conhecimento (p.e: vendedores de pinturas). A verdade é que não precisamos saber muito para contemplar as cores na sua máxima exposição. Tenho aprendido ao longo da minha vida que não precisamos saber muito para conseguir atribuir uma significação pessoal, mítica ou superior às cores. Não precisamos muito porque de forma tendencial nós próprios (por natureza) vamos percebendo que cada dia da nossa vida tem uma pigmentação diferente. Nós próprios vamos percebendo que cada dia se veste com uma cor diferente. Nós próprios vamos expressando-nos e equilibrando-nos através das cores.. Nós próprios vamos convertendo às cores na nossa principal fonte de energia. Disso já não tenho dúvida alguma.. Da mesma maneira que aconselho às pessoas apáticas e tímidas a vestirem-se de vermelho, também aconselho às pessoas turbulentas, extrovertidas e eufóricas para vestirem-se de amarelo. Na minha perspectiva pessoal, estas duas cores completamente antagónicas servem de colírio para os meus olhos. São cores que emitem uma energia extra-polar. É da sua combinação que emergem as minhas sensações inexplicáveis de bem-estar. São pontos vermelhos e pontos amarelos na minha mente, são pontos que convergem e divergem, são pontos que se conjugam harmoniosamente e dão lugar às postas de sol que tanto adoro. Hoje foi um dia claramente com matizes vermelhos e amarelos.

Vermelho – fogo, calor, nobre, impulsividade, paixões, sexualidade, acção, conquista, movimento e actividade. Cor do sangue, conota energia e vitalidade.
Amarelo e Dourado – luz do sol, iluminação, sabedoria, intelecto, diversão, percepção.
Cada um atribui o seu próprio significado...

domingo, 28 de setembro de 2008

O segredo de Amar...




Há uns dias atrás depois de 5 meses juntos, perguntava-me o que é o amor? Uma pergunta que muitos poderão responder das mais variadas formas. Não pretendo ser retórica neste assunto. Sinceramente, após 5 meses posso dizer que sinto o amor como uma profunda necessidade de ser "um" com o "todo", uma necessidade de dissolver-nos mutuamente. Como seres humanos estamos separados da nossa própria fonte. É dessa separação que surge o mais profundo desejo de volver a juntar tudo no seu sítio. Um paradoxo difícil de explicar.. Mas, o que é o amor?!? No seio da minha família, o amor tem sido um dos valores mais valiosos que existem na humanidade. Um valor que não precisa ser demonstrado, um valor que apenas é sentido e cultivado. O amor não tem propósito, não tem fim.. tem apenas uma imensa significação; uma alegria, um êxtase em nós próprios sem qualquer tipo de fins. Não é um negócio, não é um propósito... É apenas um encontro entre a vida e a morte, entre a noite e o dia, entre estar e não estar... De uma forma particular te colastes na minha vida. Estas aqui e agora.. num momento crucial. Te transformas numa doce sensação e compartes tudo o que tens em ti, compartes a vida, compartes o teu "ser" e o teu "estar". Deixas teu ego numa caixinha e representas “tudo ou nada”. Fluis e me fazes fluir. Amas no concreto e deixas o abstracto para outro momento.. Tal como sempre referes (metafóricamente), amas uma flor.. Uma flor frágil. Uma flor protegida e reforçada, uma flor que ao teu lado fortalece. Não é um negócio, não é um acordo.. És um homem consciente e sentes. Ambos sentimos o fenómeno de estar juntos. Estamos tremendamente sozinhos mas tão unidos que somos quase "uno". Não há nada que possa destruir a nossa individualidade. É isso o que mais sobressalta e caracteriza o nosso ser. Ajudamos-nos mutuamente a ser mais livres, sem cadeias, sem apegos... Eu te amo, não posso evita-lo. Não é uma questão de poder ou não amar, simplesmente te amo. O amor é possível assim quanto pode fluir… esse parece ser o segredo eterno de alguns e essa a verdadeira ilusão do nosso coração.

sexta-feira, 26 de setembro de 2008

Um momento de pleno silêncio..

Já passaram alguns dias desde que cheguei a Portugal. Alguns acontecimentos importantes se foram juntando. Irresistivelmente à minha vontade de querer escrever pregou-se a um estilo de vida incompatível às novas tecnologias. Os dias de descanso acabaram oficialmente. As saídas, os cafés, as conversas a fio, as confidências, a união que sempre nos caracterizou, o apoio incondicional, o compartir das dificuldades de sempre, o “estar” disponível na sua plenitude.. tudo acabou. A ausência das minhas irmãs já se faz sentir no meu quarto. Começa uma nova rotina, começa um novo percurso, começa um novo desafio de forma individualizada. Cada um procura o seu caminho. Eu sei, têm razão.. as vezes o que mais precisamos é o que dificilmente poderemos voltar a ter. Concordo, ficam-nos as memórias, trajectórias, os acontecimentos, as personalidades e as personagens… fica-nos uma família desfragmentada que tenta conservar a sua essência, fica-nos apenas a necessidade de continuar tentando. Ficam-nos as memórias de sempre, memórias que acompanharão o silêncio dos meus pensamentos. Pergunto-me constantemente qual será o rumo, como serei capaz de dizer NÃO, como serei capaz de dizer SIM; pergunto-me como serei capaz de ouvir palavras que tanto me custa ouvir, pergunto-me como serei capaz ignorar a resposta. Pergunto-me e prefiro não responder agora… Agora não posso, agora apenas sinto a minha criança interna emergir, sinto o seu desconforto, sinto o seu choro, sinto como sente perder, sinto como sente o mundo à sua frente, sinto a sua desorganização e sinto a sua irrefutável necessidade de refúgio..

quinta-feira, 11 de setembro de 2008

Para ti cariño..


As minhas férias já estão acabar. Com elas acaba a contagem regressiva, com elas acaba a agonia de não te ver. Tive medo de não conseguir ultrapassar este desfio. Tive medo mas conseguimos. A distância mostrou-me um mundo inefável que só quero ver contigo, ao teu lado, na tua companhia. Não interessa qual é a distância, não interessa quantos km. me separem de ti, não interessa quanto tempo temos estado ausentes fisicamente. Sabes porque não interessa?! Porque na verdade, sempre tens estado comigo e eu contigo. Criamos pontes (lembras-te?). Pontes que me acercavam a ti. Pontes que só existiam no nosso imaginário, pontes que me cativaram e muitas vezes me impressionaram. Foram pontes que mostraram uma grandeza que só tu e eu podemos conhecer. És minha obsessão, minha doce loucura e meu melhor motivo para “querer” intensamente. Tenho muito de ti comigo.. tenho mais daquilo que possas imaginar. Tenho nas minhas mãos as linhas do teu rosto, debaixo da minha pele guardo as carícias dos teus dedos e nos meus olhos conservo o segredo do teu olhar. Pensando bem, tenho muito mais do que isso tudo no seu conjunto. Tenho todo teu “amor” que me acompanha sempre como perfume. Te adoro. Continuo acreditando que mesmo nos momentos considerados mais difíceis continuamos estabelecendo/construindo relações importantes na nossa vida.

terça-feira, 9 de setembro de 2008

El canto del loco - Eres Tonto!! :)

ADORO ESTA MÚSICA!!!

ERES TONTO!!! ;)) "PARECE QUE ESTA DE MODA IR DE TONTITO"

CANTO DEL LOCO AMAZING VIDEO AND MUSIC!

Esta historia que te cuento es como un grito
Una voz desesperada que grita pidiendo auxilio
Auxilio por no ver nada que me llene en el camino
Auxilio por ver que hay mucha falta de cariño
Me paro y me pregunto por qué no vives
Rodeado de mas verdad y buscando ese equilibrio
que te llene de valor y que te quite del suicidio
No tener que depender para sentirte mas querido
Usando menos el coco y un poquito mas la piel
Ya que somos lo que somos y si no lo quieres ver
Eres tonto!
Si no te gustas es que no estás vivo
Eres tonto!
Eso es algo que nació contigo
Y mañana al despertar, saltar de la cama
Luchar tu mañana, mirar a la cara
Que no debes nada
Eres tonto!
Salir a la calle sin la tonteria
Sacando de dentro entera tu vida
Entera tu vida
Parece que esta de moda ir de tontito
Aparentar ser la persona que siempre tu habias querido
Dime, ¿Por qué no te quieres aunque sea solo un poquito?
¿Por qué no eres tu mismo y no algo parecido?
Usando menos el coco y un poquito mas la piel
Ya que somos lo que somos y si no lo quieres ver
Eres tonto!
Si no te gustas es que no estás vivo
Eres tonto!
Eso es algo que nació contigo
Y mañana al despertar, saltar de la cama
Luchar tu mañana, mirar a la cara
Que no eres nada
Eres tonto!
Salir a la calle sin la tonteria
Sacando de dentro entera tu vida Entera tu vida
Ehh! Eres tonto!
Y mañana al despertar, saltar de la cama
Luchar tu mañana, mirar a la cara
Que no eres nada
Eres tonto!
Salir a la calle sin la tonteria
Sacando de dentro entera tu vida
Entera tu vida

ERES TONTOOOO... ;))

segunda-feira, 8 de setembro de 2008

Perfeição..


Sabemos que não somos perfeitos, sabemos que por mais que tentemos não conseguimos ser perfeitos em tudo aquilo que fazemos. Sabemos que cometemos erros, sabemos que aprendemos deles. Sabemos isso e mesmo assim perseguimos a perfeição… há momentos na nossa vida em que ficamos a pensar no emprego perfeito, na saúde perfeita, na casa perfeita, na comida perfeita, na conjunção perfeita de sabores, na família perfeita, no amor perfeito, no homem perfeito, nas oportunidades perfeitas… Sei que se pensamos nisso ficamos facilmente frustrados, mas que significa ter tudo na perfeição? No outro dia falava com uma amiga e as palavras dela eram bem claras: “sou infeliz por isto e por isto…”. Fiquei absolutamente convencida que não existe absolutamente nada perfeito! As aparências enganam. Dito por outras palavras, há quem tem um emprego e sente-se tão infeliz como aquele que não o tem. Tentar ser perfeitos nos limita e bloqueia a outras possibilidades. Seguimos sempre o mesmo padrão, seguimos a mesma rotina, o mesmo ritmo e sem novidades. Tudo deve estar no seu lugar, espaço e tempo preciso. O pó não pode ter vida própria e a roupa deve ficar no armário. Perde-se tanto tempo nos detalhes. Perde-se tanto tempo procurando uma perfeição que acaba tão rápido quanto sentimos que já não conseguimos controlar tudo. Os dias passam com desafios à nossa porta. A perfeição não existe, é verdade… mas acredito que cada um pode atribuir as suas vidas um significado perfeito.
"Adoramos a perfeição, porque não a podemos ter; repugná-la-íamos, se a tivéssemos. O perfeito é o desumano, porque o humano é imperfeito."
(Fernando Pessoa)

sábado, 6 de setembro de 2008

The Gift..

Há uns dias atrás recebi na minha caixa de correio um mail que falava sobre a criatividade. Depois de ler o seu conteúdo fiquei a pensar por algum tempo no assunto. Não cabe dúvidas que nos dias que correm ser criativos é um dom. Penso que um dos grandes problemas ao qual nos enfrentamos tem a ver precisamente com a dificuldade de dar liberdade a essa parte criativa de cada um de nós. O que é ser criativos? Como desenvolvemos a criatividade? Todos somos seres criativos? Tenho a fiel convicção de que todos somos seres capazes de desenvolver (alguns mais do que outros tal vez) a nossa criatividade. A estimulação ambiental é uma parte fundamental para isso.. não duvido.. mas e que me dizem das variáveis mais internas das pessoas que são consideradas criativas? Compreender as modalidades do nosso pensamento, conhecer os nossos pensamentos acho que é uma variável importante para deixar voar a nossa criatividade.
Considero que uma mente livre de prejuízos, condicionamentos e tabus pode dar espaço (cada vez maior) para desenvolver o dom da criatividade. Quantos de nós, na solidão, nos dias de chuva, nos dias aparentemente mais emotivos, nos silêncios, nos dias de música suave.. etc, etc. não temos realizado as coisas mais maravilhosas que antes podíamos ter feito. Só no fim é que nos apercebemos que fizemos um bom trabalho; um trabalho único, autentico e criativo. Cada um de nós tem uma condição para deixar emergir os pensamentos criativos. Cada um de nós (e mais ninguém) tem que o descobrir… Sou sincera, é na quietude da minha mente, sem esforço, sem perseguição, sem busca do perfeito, sem prejuízos, sem pressões, sem nada... quando consigo compreender o verdadeiro significado dos meus pensamentos, consigo dar ouvidos e como tal consigo compreender o meu próprio processo de acção. Ser criativos implica actuar deixando os nossos pensamentos livres para isso.

É no descobrimento das nossas relações quotidianas que vemos o espelho de quem somos em realidade.

quinta-feira, 4 de setembro de 2008

Silent breath.. silent dream..


Hoje quero falar dos sonhos.. fantasias, ilusões da nossa mente? Tenho uma filosofia de vida que me acompanha sempre onde quer que eu vou.. Para mim, sonhar é estar vivo. Quem não é capaz de sonhar é um ser completamente afastado do verdadeiro significado de viver. Quem não é capaz de sonhar é um ser incompleto e carente. Quem não é capaz de sonhar perde uma doce sensação. Perde a sensação de acordar bem-disposto... Eu sei que muitos já terão experienciado essa sensação de felicidade e esse sorriso espontâneo ao acordar. Somos seres perfeitos nesse sentido, não conheço ninguém que não tenha sonhado ou tenha deixado de sonhar sem ter experienciado alguma vez essa doce sensação.
Os sonhos, aqueles que nos acariciam os pensamentos, que nos elevam à cima de uma montanha colorida em verde... aqueles sonhos... Um lugar onde apenas estamos nós, um lugar onde somos capazes de sentir-nos mais vivos, mais próximos de um profundo suspiro, mais completos e mais suaves em cada uma das articulações que compõem o nosso corpo. Inspiramos ar puro e tudo começa. Não sabemos se o sonho é verdade ou é mentira. Vivemos intensamente nessa minúscula borbulha de ar fresco e não conhecemos diferença entre sonhar e viver. Vemos passar pensamentos remotos, vemos como correm por todo o nosso corpo... sentimo-nos tão bem… Não desejo acordar. Será preciso acordar? – Pensamos.
Os sonhos são uma mistura de tudo aquilo que nós somos. São uma espécie de “vive agora e depois veremos”. Pensando nisto entro em colapso mental, não sei até que ponto podemos sonhar ou apenas pensar.. Os sonhos são perfeitos, alguns nos elevam a sítios onde nunca antes estivemos, enquanto que outros pelo contrario nos elevam a sitos onde apenas nós podiamos ter estado. Os sonhos conjugam o nosso verbo em passado mas também em presente e futuro. Os sonhos são um jogo sujo/limpo da nossa mente.. Sonhando podemos respirar e conhecer-nos mais profundamente, conhecer os nossos limites, medos, valores; as nossas melhores potencialidades, atitudes e virtudes.
Nunca deixemos de sonhar!!!

Algumas Fotografias

PARTE 1 (EXPO-ZARAGOZA)

PARTE 2 (EXPO-ZARAGOZA)