sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Fim-de-semana!



Há coisas que por vezes me deixam de boca aberta. Eu não percebo porque algumas pessoas com boas capacidades para desempenhar, desenvolver e concretizar as suas próprias ideias acabam aproveitando-se das ideias dos outros. É porque é mais fácil? Poupa-se tempo? Ganha-se menos esforço?
Desde o inicio tem sido um autêntico desafio encaminhar a minha tese. Por diferentes motivos sempre encontro obstáculos que me impedem seguir em frente. Esta semana, a proposta do ano: “fazer a minha recolha dos dados em parceria com “alguém” que não conheço de lado nenhum, que não tem a mais remota ideia do trabalho que eu tive que fazer até agora e que ainda por cima não estava a propor nada de novo para o seu estudo”. É giro, não é?
Foi esta a proposta:
"Tenho uma boa notícia para si! Aqui esta o X, quer fazer um estudo muito parecido ao seu. Tal vez poderiam ajudar-se mutuamente, fazer uma recolha de dados em conjunto, utilizar os mesmos questionários, a mesma amostra, a mesma metodologia e depois no fim fazerem análises diferentes dos resultados. Pode apresentar ao X aquilo que já tem feito!"

Devo dizer que fiquei sem palavras depois desta introdução, mas lá fui eu.. expliquei o que tinha feito e apresentei o meu estudo ao X da melhor forma possível, mas com toda a indignação que possam imaginar - no meu interior só pensava - Isto só me acontece a mim!
A famosa reunião acabou mais depressa do que esperava e no fim troquei algumas impressões com o “X”. Perguntei directamente o que é que ele pretendia estudar? Quais os instrumentos que queria aplicar? Qual a pesquisa bibliográfica que tinha feito? Quais os seus interesses?
O fantástico disto tudo é que o X não tinha nada em mente, não fazia remota ideia o que queria estudar e achava demasiado “giro” o que eu já tinha decidido estudar. Além disso, colocou as suas condições desde logo - "eu trabalho até às 16h, mas depois dessa hora podes contar comigo para irmos às escolas, fazer a recolha dos dados e encontrar-nos para tudo o que seja preciso" - Digam-me, é giro, não é? Agora só me pergunto, afinal quem é que, tendo em conta estas condições, iria trabalhar mais, ele ou eu?
Afortunadamente consegui dizer “não” a esta proposta absurda. Quem é que acha que se podem fazer duas análises diferentes se ambos estudamos exactamente as mesmas variáveis, da mesma forma e com os mesmos instrumentos? Isto não faz sentido para mim, é um absurdo!! Tantas coisas que se podem estudar e ele queria fazer algo exactamente igual. Não era para aproveitar-se de mim? Sejam sinceros...
Finalmente chegou o fim-de-semana e posso começar por dizer que mais da metade dos obstáculos que tinha no inicio agora são apenas parte de uma longa história para contar. A boa noticia para este fim-de-semana é que já tenho a autorização do Ministério de Educação para avançar com a recolha dos dados nas escolas públicas e que, após o ridículo desta semana, irei continuar sozinha na minha tese sem a colaboração do X.
Bom fim de semana! :)

Sem comentários:

Enviar um comentário

Que pensas sobre isto? Desejas partilhar algo parecido? Concordas ou não?
Obrigada pela visita!