segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Independência no casal... ou não...



Ora bem, há uma coisa que eu definitivamente não compreendo... há pessoas mesmo iludidas com uma ideia errada de "casal", "namorado", "companheiro", "alguém com quem estar", "pior é nada", etc.. Todos sabemos que a partir do momento em que iniciamos uma relação com alguém, isto é suportado por algum motivo (atracção física, amor, interesses comuns, etc.). A verdade é que quando iniciamos uma relação há geralmente duas vidas semelhantes ou até completamente diferentes que se juntam... mas "nós" desde o inicio estamos minimamente conscientes destas realidades opostas ou iguais... mas estou farta de tentar perceber como é que alguém pode iniciar uma relação e passados seis meses ou inclusive até menos, começar a querer/desejar algo completamente diferente... para mim isto é brincar com as pessoas da maneira mais cruel possível! Que raio de sociedade é esta em que vivemos; em que os namorados trocam-se como se de um objecto se tratasse (na melhor das hipóteses de seis em seis meses). O importante perdeu-se; aquilo que era essencial para iniciar uma relação e manter-la é hoje em dia um absurdo para muitas pessoas. Isto é triste... A minha conclusão é que definitivamente um "casal independente", onde o lema principal "cada um por si" predomina não faz sentido nenhum. É verdade, que é importantíssimo manter um grau de independência (a nossa independência em determinados assuntos), mas a partir do momento que transpomos essa ideia de independência para a relação de casal em si, esqueçam... porque tudo, absolutamente tudo deixa de fazer sentido. Podemos ter graus de autonomia numa relação e quando se roça qualquer um dos seus extremo é uma relação que eu costumo chamar caótica. Sabem, o que é pior de tudo? Que cada vez há mais relações caóticas, pura e simplesmente porque as pessoas já não querem assumir compromissos, nem estão dispostas a deixar nem que seja um bocadinho a sua famosa independência! 

As pessoas querem é gozar, viver e fazer 
aquilo que melhor lhes apetece sem importar o outro...
Enquanto esta mentalidade egoísta e mesquinha não mudar
dificilmente as pessoas poderão TER aquilo 
que tanta INVEJA lhes causa ver em alguns casais excepcionais... 
Porque a dança é a dois e a sua harmonia não reside na autonomia dos que dançam, mas sim na conjugação dos elementos, movimentos e passos...

Sem comentários:

Enviar um comentário

Que pensas sobre isto? Desejas partilhar algo parecido? Concordas ou não?
Obrigada pela visita!