domingo, 11 de setembro de 2011

Cada vez observo mais disto...



É com alguma frequência que tenho vindo a ouvir as discrepâncias de interesses em alguns casais namorados sobre o que fazer? como fazer? em que momento fazer? Ora bem, quando se inicia e se mantém uma relação com alguém é normal (normalíssimo) que existam certas diferenças sobre os gostos, interesses, hobbies, actividades, saídas.. etc, etc. É aqui quando surgem muitas das vezes as primeiras discussões... ("eu quero cinema... tu queres andar de bicicleta"). No entanto, hoje em dia não é de estranhar a grande facilidade com que alguns conseguem até no cinema ir para salas diferentes sem qualquer problema, simplesmente, porque ambos queriam ver filmes diferentes. Isto não é de todo mau... efectivamente, uma boa fórmula dos casais é fomentar os seus "jardins privados", mas diga-se de passagem que também é importantíssimo criar actividades em grupo, compartilhar e socializar. Se um casal passa mais de metade do tempo alimentando os seus jardins privados, garanto-vos que quando voltarem a estar novamente juntos, tudo poderá ser como começar de novo... até para alguns esta é a chave do sucesso. Na minha humilde opinião isto não faz sentido nenhum, é como estar duas vidas em paralelo que dificilmente cruzam-se... e quando se cruzam é como começar tudo de novo. 
Outro assunto que tenho vindo a observar é que muitas vezes existem níveis diferentes de extroversão dentro dos casais... isto quer dizer que, por exemplo, ele tem muitos amigos, é uma pessoa que gosta de conhecer pessoas novas, etc. etc. enquanto que ela, por exemplo, é mais tímida, introvertida e gosta de actividades mais solitárias do que em grupo... Ora bem, gostar de estar sozinhos não é e nunca será algo totalmente negativo, nem incompatível com os gostos do outro, mas há que dedicar tempo para tudo. O meu conselho... expressem livremente os vossos interesses, conheçam os interesses do outro e procurem sempre que possível repartir o tempo entre "estar juntos" e com os "amigos". Aos poucos e com paciência, ambos poderão compreender a perspectiva um do outro e habituar-se a que é importante conviver socialmente com os teus/seus amigos e também ter algum espaço para eles.  
Um estudo divulgado há algum tempo atrás (e que agora não consigo precisar a sua data) mostrou que tendencialmente as pessoas procuram emparelhar-se de acordo com o seu nível cultural e de inteligência, do que propriamente pela suas características de personalidade, como é o caso da extroversão. No entanto, ao conviver com alguém, é comum saltarem algumas diferenças, mas se sabermos negociar com o outro nem tudo esta perdido.     

Sem comentários:

Enviar um comentário

Que pensas sobre isto? Desejas partilhar algo parecido? Concordas ou não?
Obrigada pela visita!